Vasco Costa

HOMEM GNOMONE

Escultura

Sun Walks

Para uma caminhada utópica, simultaneamente dirigida ao horizonte numa inatingível paisagem e á profundidade obscura da interioridade pessoal, numa busca vertical reflectiva de auto-desafio perante a relatividade do ser. Conquista duma percepção expandida em amplitude espacial. O romantismo do vazio no sublime da natureza. A sombra, esse referente de existência guia deste trajecto é animado pela força vertical do homem numa caminhada espiritual que é de desafio, auto-conhecimento e busca do inalcançável…de costas para o Sol, não por renúncia mas por referente, como companheiro, transportado por ele até á libertação, pois é perante este Sol, energia impulsionadora e a Terra que me alimento e me desgasto. Em peregrinação devota ás duas maiores influências da compreensão física e espiritual desta aventurosa verdade…

O homem que caminha no deserto (espaço inreferênciado) é animado pela luz, e é ele a sua sombra em movimento e presença perante a fisicalidade inerte da paisagem. A existência física de um corpo gera a presença informe de um outro, o corpo sombra (o próprio retrato) em transformação disforme que será perseguida no espaço estendido da paisagem sobre todo e qualquer obstáculo até á obscuridade, o anulamento…libertário. Um rasto de passagem desenhar-se-á no chão que percorre, uma linha que desconhece… não olha para trás mas, essa invisibilidade marcará um alinhamento que o segue de movimentos perpétuos. Na busca da sacralidade desenterra-se o rito na sua complexa existência. A manifestação do corpo em liberta catarse dos próprios sentidos, aproximando-se, traduz vida em linguagem de luz. Um gesto em movimento, o corpo que desenha o tempo que o desenha a ele. Seguindo a sombra sua cúmplice testemunha, comprovam a existência ali, naquele momento, efémero.

Caminhadas de Sol a Sol em direcção á própria sombra.

Trajectos percorridos regularmente ao longo de um dia, sobre a regularidade ou irregularidade do terreno. As coordenadas destes trajectos serão captadas por um dispositivo de localização (gps) que identificará uma série de pontos de localização geográfica, os quais serão aplicados posteriormente sobre um mapa do local. A sucessão destes pontos captados regularmente e em quantidade, perfará uma linha, a qual será denunciadora ou testemunha de um percurso efectuado. Os trajectos serão percorridos idealmente nos dias de equinócio ou solstícios. O projecto que proponho é de preparar um processo de análise que começa com a exploração local, de um lugar com todas as suas características físicas constituintes como o relevo a geografia a construção, as divisões de propriedades etc. Consoante a época do ano os elementos e as suas variantes também da época como os cultivos, as safras, as cores da terra, a arridez e a tactilidade do terreno. Através deste projecto de desenho á mais alta escala pretende-se traduzir a experiência do trajecto para vários suportes de registo como o vídeo, a fotografia e o desenho, podendo ser complementado com objectos e composições alusivas ás matérias vivenciadas e resgatadas á paisagem. Esta proposta acarreta em si mesma uma imersão total na paisagem, sendo esta, a grande área envolvente e circundante á cidade, analisando-a amplamente, percebendo de que é constituída, qual a actividade deste território e sua actualidade… percebendo também e fundamentalmente que património se encontra aqui e de que forma é explorado. A experiência será posteriormente reportada por todo um conjunto de dispositivos de registo que o acompanham a fim de serem testemunhos de uma acção, de um olhar de uma interpretação preparada para ser apresentada publicamente!